Sindicato dos Inspetores do Sistema Penitenciário do Espírito Santo

Hoje (06/06), por volta das 9h, a Inspetora Penitenciária (Policial Penal), Jocilene Brandão, acionou o SINDASPES solicitando apoio em decorrência da falta de EPIs adequados e em razão de uma determinação absurda por parte da equipe de saúde do Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (HUCAM), no que tange aos operadores de Segurança Pública, durante escolta de preso com suspeita de Covid-19.

ENTENDA O CASO

Nesta manhã, o preso G.G foi internado na HUCAM com suspeita de ter contraído o novo coronavírus (Covid-19), além de estar em tratamento de tuberculose. Ocorre que a equipe de saúde, por não saber lidar com a situação, determinou que os Inspetores Penitenciários não saíssem do quarto para nada durante o período do plantão.

Pasmem! Os Inspetores teriam que usar o mesmo banheiro de uma pessoa em tratamento de tuberculose e supostamente contaminado da Covid-19, além de se alimentar obrigatoriamente da comida do hospital naquele ambiente.

De acordo com as enfermeiras a medida foi necessária para que não houvesse contato dos Inspetores com os demais e para evitar contaminações, considerando que o Hospital só dispunha dos EPIs como a máscara N95, por exemplo, para uso dos profissionais da saúde.

Vale ressaltar, que ao chegar no Hospital a Diretoria do SINDASPES constatou que havia um documento constando a "PARAMENTAÇÃO" obrigatória (não disponibilizada aos Inspetores) para prevenção de infecção da doença.

Sendo assim, considerando absurda a exposição inadequada imposta e a determinação da equipe de saúde da HUCAM, a Diretoria do SINDASPES exigiu que a paramentação obrigatória fosse disponibilizada aos Inspetores Penitenciários, afinal, estamos todos trabalhando diretamente no combate do mesmo inimigo na nobre missão de servir a sociedade capixaba e jamais aceitaremos que cerceiem o nosso direito de ir e vir sob o argumento da falta de EPIs dos quais o Estado é obrigado a disponibilizar.

DESFECHO DA SITUAÇÃO

A chefe de plantão médico conversou com o representante da categoria, informou que o preso não estava com sintomas da Convid-19, determinou que as máscaras fossem imediatamente substituídas e voltou atrás na determinação imposta aos Inspetores Penitenciários, por entender os argumentos apresentados.

Ainda, segundo a médica, o Hospital está trabalhando um protocolo de procedimentos para esses casos e, de forma muito educada se desculpou pelo ocorrido.

SINDASPES, um sindicato forte e atuante!

© 2019. All rights reserved.